F

quinta-feira, 18 de maio de 2017

Resenha: A MENINA SUBMERSA por Caitlín R. Kiernan

Olá meu Eventuais!

Então hoje vou falar um pouquinho sobre uma das leituras mais difíceis que já fiz até hoje. Sendo assim, fiquei receosa de fazer uma resenha sobre ele e fui só adiando.. então eu peço que me perdoem se ela não ficar muito boa, mas o livro em si é bem confuso e até agora eu não consegui entender a história direito... vai ver era isso que a autora queria transmitir aos leitores criando uma história basicamente feita dos pensamentos de uma garota esquizofrênica.

Sinopse: "Com uma narração intrigante, não linear e uma prosa magnífica, Caitlín vai moldando a sua obsessiva personagem. Imp é uma narradora não confiável e que testa o leitor durante toda a viagem, interrompe a si mesma, insere contos que escreveu, pedaços de poesia, descrições de quadros e referências a artistas reais e imaginários durante a narrativa. Ao fazer isso, a autora consegue criar algo inteiramente novo dentro do mundo do horror, da fantasia e do thriller psicológico."

É India Morgan Phelps (Imp) quem nos conta uma história de fantasmas. É isso mesmo, o livro é uma espécie de diário onde a garota descreve com detalhes, um tanto quanto confusos, sobre seu encontro com uma figura misteriosa que se apresenta à ela como Eva Canning. No início do livro, Imp nos mostra como é difícil lidar com o medo de ter surtos psicóticos, uma vez que a avó e a mãe da garota foram internadas por tal motivo. Sendo assim ela tenta relatar de maneira cronológica todos os fatores que a levaram a pensar que Eva é uma figura sobrenatural, uma espécie de sereia, que poderia também ser tão animalesca quanto um lobo. Um tanto quanto estranho né gente? 

Me senti muito perdida tentando entender o que Imp queria contar. O que me fez levar a leitura adiante foi o clima de mistério que permeia todo o livro nos dando a impressão de que algo fantástico vai ser revelado a qualquer momento. 

Porém não se pode confiar na narrativa de Imp, pois ela deixa claro que não consegue distinguir entre a realidade e o imaginário. Sendo assim, ela relata sua fixação por um quadro misterioso, que ao longo da sua narrativa se torna peça fundamental para que a garota realmente pense que o objeto tem relação com algumas coisas que a perturbam. Da mesma forma ela se apega à trechos de contos de fadas e reportagens misteriosas para fundamentar suas teorias sobre sereias, lobos, seitas secretas e afins... 


Tais fatores explicam porque o livro é tão difícil de ler, dividindo a opinião dos leitores. Ou você ama ou você odeia e é realmente isso. Eu queria ter amado esse livro, porque das edições que já vi da editora Darkside, essa é uma das que mais se destacam, levando em consideração o fator beleza! Como pode ser esse o livro mais lindo da minha estante e ao mesmo tempo ser o que menos tive prazer em ler? 


Não quero falar mal sobre o livro aqui, até porque a autora fez com sucesso o que se propôs: deixar que o leitor entre em uma mente esquizofrênica. Então é de se esperar que o leitor fique meio perdido ao longo da narrativa e ao mesmo tempo preso pela promessa do suspense.

Então esse não é um livro para se ler depressa, mas garanto que ele proporciona uma sensação única, pois nunca li nada parecido. É uma obra densa, cheia de simbolismos e pesada mesmo. Às vezes me sentia triste pelos delírios de Imp e outras vezes me sentia totalmente dentro de sua mente, o que me causou certo incômodo. Por essas razões não tiro o mérito do livro. Mas também sou da opinião de que não o leria novamente. 


E vocês?? O que acharam desse maravilhoso livro meio louco??? Estou ansiosa pra saber!

Até a próxima! 

3 comentários:

  1. Ro,
    ao ler esse livro tive uma sensação bem parecida com a sua. Não é um livro fácil de ler mas acho que a autora atingiu seu objetivo.
    bjs

    Amor por Livros

    ResponderExcluir
  2. Olá Rê!!!
    Demorei séculos para fazer essa resenha rsrsrsrs
    Foi difícil entender do que se trata o livro e transmitir aqui no blog, mas enfim saiu hahaha
    Beijinho!

    ResponderExcluir
  3. Oi, Roberta. Acredite, você não é a única. Não li o livro ainda mas todo mundo que eu vejo que faz uma resenha sobre a obra, acha ela um tanto confusa e bem diferente. Talvez a autora optou por trazer algo do tipo já que sua personagem sofria de esquizofrenia e ela queria mostrar como a mente de pessoas assim funcionavam. Só sei que provavelmente nunca lerei a obra, ela é muito densa e pesada demais pra mim.
    Beijo!
    Leitora Encantada

    ResponderExcluir